“O Caminho de Santiago apareceu com naturalidade entre os eventos que sabíamos teria adesão face, principalmente, ao seu interesse religioso e histórico”

Entrevista: Luís Celínio – Presidente da Direcção do Clube Escape Livre

 

Luís Celínio, Presidente da Direcção do Clube Escape Livre, é natural da Guarda. Estudou na escola Adães Bermudes, Liceu Nacional da Guarda e Universidade de Coimbra.
Aproveita os tempos livres para viajar.

A GUARDA: O Clube Escape Livre voltou a promover uma iniciativa pelos emblemáticos trilhos dos peregrinos, de Trancoso até Santiago de Compostela. Foi um desafio bem superado?

Luís Celínio: Fazer o Caminho de Santiago, o caminho português com partida de Trancoso até Compostela é sempre uma aventura e sempre oportunidade de descoberta e de boas memórias. Para os que o fazem pela primeira vez, estou certo, é ainda uma viagem memorável quer o realizem motivados pela fé, quer por motivos culturais ou ainda de descoberta.
O caminho português, que o Clube Escape Livre tem percorrido desde 2010 não tem um percurso muito definido, mas vai sendo uma ramificação de vias em direcção ao norte.
Sernancelhe, Ucanha, Lamego, Nossa Senhora do Viso, Agra, São Bento da Porta Aberta, Tibães em Braga, Santa Luzia em Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira são em território português os principais locais que passamos e visitamos.
Já em Espanha optámos pelo caminho português da costa que tem no Mosteiro de Oia o seu ex-libris e onde terminamos o percurso de todo-o-terreno antes de avançar para Santiago de Compostela.
O grande desafio de cada Caminho de Santiago, que organizamos, é mesmo corresponder às expectativas que cada participante e, numa viagem de quatro dias, intercalar de forma harmoniosa as horas de condução com as visitas aos locais religiosos e históricos.
Quando no final, já em Santiago, fazemos a caminhada, este ano com a presença de Dom António Luciano, Bispo de Viseu, do Padre Francisco Barbeira, da Diocese da Guarda e do Gran Mestre da Ordem do Caminho de Santiago, Miguel Poppin, até à Catedral carregamos connosco todo o simbolismo dos milhares de peregrinos que, há séculos, percorrem a pé este caminho.
E, acreditamos, estar a ajudar na divulgação de um trajecto que foi declarado “conjunto histórico- artístico” em 1962 e reconhecido pelo Conselho da Europa como primeiro itinerário cultural europeu em 1987. A Ordem do Caminho de Santiago, à qual pertenço desde Julho deste ano, é a grande defensora por todo mundo desta tradição e sentimo-nos honrados por fazer parte dela e do seu desiderato.
A GUARDA: Esta aventura única fora de estrada coincidiu com o Ano Santo. Podemos dizer que desta vez o Off Road Bridgestone / First Stop Caminho de Santiago teve uma motivação extra?
Luís Celínio: Fazer o Caminho de Santiago em Ano Santo ou Ano Jacobeu é ainda mais emotivo. Foi no início do século XII que o Papa Calisto II declara que quando o dia do Santo, a 25 de Julho, é no domingo esse é um ano Santo Jacobeu tendo os peregrinos especiais bênçãos e privilégios espirituais. Desde sempre e até aos dias de hoje que Santiago de Compostela se enche ainda mais de peregrinos nestes anos em busca do perdão pleno e privilégios dos anos Santos. Normalmente comemora-se um ano jubilar compostelano em cada 6, 5, 6 e 11 anos. Este ano, excepcionalmente, por decreto papal é também ano Santo Jacobeu tal como o ano passado. O próximo será 2027, seguido de 2032 e de 2038. Entrar na Catedral pela porta santa é assim possível outra vez e pela primeira vez em dois anos consecutivos.
A GUARDA: Há vários anos que o Clube Escape Livre promove este passeio. Este caminho ainda tem novidades para oferecer aos participantes?

Luís Celínio: A primeira vez que o Clube Escape Livre organizou o passeio todo terreno turístico e de lazer Caminho de Santiago foi em 2010. Já andávamos a estudar a iniciativa, a forma de a colocar no terreno, mas a sua preparação obrigou a muito trabalho já que pretendíamos alcançar dois objectivos: permitir aos participantes um percurso fora de estrada interessante com grandes paisagens e que contemplasse os locais mais emblemáticos do caminho português de Santiago; e, depois, que a ligação de Trancoso a Santiago de Compostela não ocupasse demasiados dias para permitir uma maior adesão.
Foi quando encontrámos um compromisso nestes objectivos que avançámos com a primeira edição em Outubro de 2010 também ele ano Santo ou ano Jacobeu. Desde então já percorremos o Caminho de Santiago por nove vezes e esta edição é a terceira em que coincidimos com o ano Santo. E, respondendo concretamente à pergunta, a verdade é que se o percurso tem, em algumas edições, pequenos ajustes no seu traçado, os locais que o marcam e que são icónicos do Caminho de Santiago são os mesmos. E isto porque, se já tivemos algumas equipas a repetir a presença, o normal é em cada edição termos novas equipas, novos participantes que vêm um pouco de todo o país, do Algarve ao Minho. Daí que o im
portante não é ter novidades, pois temos um público diferente em cada passeio, mas sim permitir que se usufrua ao máximo do Caminho e de toda a sua história.
A GUARDA: Como nasceu a ideia do Escape Livre promover este passeio, uma vez que vai muito para além das fronteiras da região?

Luís Celínio: O lema do Clube Escape Livre é “o automóvel na promoção e divulgação da região da Guarda” e desde a sua fundação, em Setembro de 1986, temos privilegiado a cidade, o concelho, o distrito e a região centro. Por exemplo o Rali Mobil Rádio Altitude, que organizámos ao longo de duas décadas, e mais conhecido simplesmente por Rali da Guarda, percorreu todos os concelhos do Distrito e foi o primeiro evento a dar notoriedade ao Clube. Depois tivemos a Land Rover Rota Histórica que ao longo de 25 anos de edições, sempre esgotadas, nos permitiu promover todas as potencialidades do nosso território. Mas rapidamente, eventualmente devido ao sucesso alcançado pelas actividades do Escape Livre, fomos convidados para novos desafios que ultrapassavam as fronteiras atrás referidas. A zona oeste de Portugal com predomínio na Tapada de Mafra recebeu alguns eventos de grande notoriedade assim como a zona a sul do Tejo com destaque para os eventos na Companhia das Lezírias.
Nos passeios de automóveis clássicos, e face a uma estreita colaboração com, para nós, o melhor Museu Automóvel em Espanha, o Museu do Automóvel de Salamanca, a ligação entre a Guarda e Salamanca foi uma realidade durante vários anos e voltará a ser em 2023.
Marrocos foi quase uma exigência dos nossos participantes mais habituais que queriam fazer todo o terreno em África com uma organização que lhes oferecesse segurança e qualidade.
Por isso o Caminho de Santiago apareceu com naturalidade entre os eventos que sabíamos teria adesão face, principalmente, ao seu interesse religioso e histórico. Por outro lado, tivemos o privilégio, desde a primeira edição em 2010, de ter sempre a companhia de peregrinos especiais como foi o caso de Dom Manuel Felício, Bispo da Guarda, Dom António Moiteiro, Bispo de Aveiro e Dom António Luciano, Bispo de Viseu. E o ano passado, primeiro ano Santo depois de 2010 tivemos mesmo a presença dos três Senhores Bispos, em Santiago, na Missa do Peregrino e com a cerimónia do Botafumeiro. Como católico praticante não posso esquecer a emoção desses momentos.
A GUARDA: A aventura entre Trancoso e Santiago de Compostela é para continuar a fazer pate da programação anual do Clube Escape Livre?

Luís Celínio: Apesar de já termos contactos de participantes para 2023 não tencionamos organizar o Caminho de Santiago no próximo ano e veremos se nos seguintes. É uma organização muito dispendiosa, complexa e exigente e o facto de termos organizado o Caminho de Santiago nos últimos três anos foi mesmo coincidência. Nos nossos planos estava apenas a edição de 2021 por ser ano Jacobeu e o primeiro depois da nossa primeira edição em 2010. Mas, proporcionou-se o passeio de 2020, realizámos como previsto o de 2021 e este ano depois de conhecida a decisão papal no sentido de ser também Ano Santo decidimos proporcionar esta viagem em ano igualmente especial a todos os participantes interessados. Esgotámos as inscrições, tivemos 47 viaturas 4X4 e 122 pessoas.

A GUARDA: De forma resumida, qual o balanço que faz das actividades que o Clube promoveu ao longo deste ano?

Luís Celínio: O presente ano ofereceu-nos a possibilidade de voltar à normalidade depois de dois anos em que as atividades do Clube sofreram grandes reduções e alterações. Foram dois anos complicados em que aproveitámos para melhorar ou apresentar projetos que face ao calendário de atividades sempre muito elevado do Clube, não tinham tido a sua oportunidade. Assim a Escape Livre Magazine foi totalmente renovada aproveitando ainda mais o automóvel para mostrar o melhor que temos a nível de Adegas, Hotéis, Restaurantes etc,. Para além da sua distribuição direta, é disponibilizada como suplemento no Jornal A Guarda e no Jornal Diário de Coimbra. Lançámos o projeto Rotas de Portugal com a SEAT onde preparámos as rotas turísticas das estradas nacionais 18 e 221, já apresentadas, EN16 e EN17, a apresentar em breve.
Correspondendo a um desafio do professor Carvalho Rodrigues conseguimos dar corpo ao Dar Neve a Lisboa, ou seja, recriar um facto histórico com mais de 500 anos e que consistiu em levar neve, melhor dito gelo, desde a serra da Estrela até Lisboa, o que acontecia com regularidade há 500 anos, de forma a que o Rei e a Corte, e depois também a população de Lisboa pudesse ter bebidas frescas e gelados.
Mas 2022 foi até agora, ainda temos previsto o Mercedes-Benz 4MATIC no Alentejo e o Raid TT Vinhos Beira Interior em Pinhel, muito positivo com todas as atividades concretizadas e todas com um balanço que nos deixa orgulhosos do trabalho que há 36 anos desenvolvemos, mas que realmente são 49 anos, se considerarmos que desde fevereiro de 1973, data do primeiro programa Escape Livre na Rádio Altitude, o automóvel é o centro dos nossos interesses para a promoção turística deste território.

A GUARDA: Algum dos eventos realizados merece destaque especial?
Luís Celínio: Este ano organizámos o Off Road Caminho de Salomão, um passeio todo-o-terreno que ligou Belém a Castelo Rodrigo, seguindo as páginas do livro “A Viagem do Elefante” de José Saramago, em parceria com a Associação Territórios do Côa que está a lançar o interessante projecto Viagem do Elefante Rota Turística Literária. Temos acções que se completam e projectam o território. E no caso concreto do Off Road Caminho de Salomão trazem participantes e jornalistas a conhecer as potencialidades desta Rota. Vamos repetir o Off Road Caminho de Salomão, para o qual já temos pedidos de inscrição, de 20 a 24 de abril 2023.

Notícias Relacionadas