Núcleo Desportivo e Social promove Projecto “tu decides”

Único projecto do Programa Escolhas no Distrito da Guarda

O Projecto “tu decides” é um projecto integrado no Programa Escolhas, promovido pela Secretaria de Estado da Juventude e do Desporto, através do Instituto Português do Desporto e Juventude, I. P. e co-financiado pelo Pessoas 2030 e União Europeia. O Núcleo Desportivo e Social (NDS), na Guarda, é a entidade promotora e gestora deste projecto. Trata-se do único projecto do Programa Escolhas no Distrito da Guarda. O NDS em 2004 efectuou candidatura à 2.ª Geração do Programa e, desde então, o projecto tem contribuído para as crianças/jovens da Guarda terem mais e melhores escolhas.
Nesta geração o projecto procura contribuir para a inclusão e integração social das crianças e jovens e suas famílias, particularmente as provenientes de contextos de maior vulnerabilidade socioeconómica. Pretende-se através de acções promotoras do sucesso escolar, de actividades digitais, de capacitação cívica, culturais, desportivas e recreativas, promover estilos de vida saudável, e contribuir para uma consciência crítica e criativa e para uma comunidade mais participativa e mais dinâmica.
No projecto reconhecemos a comunidade como um contexto heterogéneo e desigual e a integração e inclusão dos grupos sociais culturalmente diferenciados passa pelo assumir dessas diferenças.
O trabalho que tem sido realizado, do nosso ponto de vista tem sido diferenciador, dado que tem sido pautado por práticas participativas, pela valorização dos participantes e por práticas de proximidade. A intervenção é de proximidade, quer pela frequência e regularidade das acções, quer pela localização estratégica da entidade promotora e gestora, que se encontra situada num local próximo de bairros sociais e escolas, o que possibilita a manutenção e o estabelecimento de relações de proximidade humana, criando uma espécie de extensão da própria casa para os/as participantes do projecto. Os/as participantes são encarados como um recurso fundamental, uma força de mudança, sendo-lhes dada “voz”, procurando que liderem as acções. Esta participação activa e dinâmica, que nem sempre é promovida nos jovens, consideramos que promove a sua autodeterminação, uma identidade positiva, a responsabilidade e a capacitação, com impacto na transformação de si próprios, dos outros e do próprio contexto.
As acções desenvolvidas no contexto do projecto, no espaço escolar, no contexto da rua e noutros espaços, tem permitido o diálogo, um maior conhecimento sobre diferentes culturas e a aceitação mútua.
O contributo dos parceiros de consórcio, da comunidade envolvente e das instituições locais têm sido essenciais para a prossecução dos objectivos. Esta cooperação tem permitido uma intervenção multidimensional, aumentando o espectro do impacto da intervenção, permitindo assim que os/as participantes tenham acesso a oportunidades culturais, cívicas, artísticas e desportivas diversificadas, construtivas e efectivas. A forte articulação em rede, tem promovido um contexto de aprendizagem colectivo e também de articulação de esforços e de mobilização de recursos que permitem responder a preocupações efectivas mas também a novas questões sociais.
A abordagem é sistémica e multidimensional, possibilitando a intervenção com os/as participantes, não apenas no seu contexto individual, mas também familiar, escolar, social, comunitário e institucional.
Investir na promoção da equidade, na integração e inclusão é um investimento no capital humano. Sociedades inclusivas são sociedades com elevado potencial de desenvolvimento, economicamente produtivas e fortes, autónomas e felizes.
A metodologia adoptada é participativa, activa, flexível e orientada para o interesse dos participantes e para a capacitação dos mesmos. As metodologias de intervenção são sucessivamente ajustadas aos contextos, sendo exigido uma diversidade de abordagens. Através da intervenção procuramos mitigar as disparidades, promover a inclusão social, o sucesso escolar, combater o abandono escolar precoce, promover competências psicossociais que aumentem o capital social e relacional dos/das participantes, reforçar as oportunidades para que as crianças/jovens sejam mais autónomas/os, mais resilientes, aumentem a sua participação cívica e sejam preparados para os grandes desafios do futuro. Há, de facto, crescentes desafios à integração e inclusão mas urge deslocar a centralidade do emaranhado de problemas para as oportunidades, soluções e recursos. Defendemos que ninguém deve ficar para trás. No projecto partilhamos, celebramos e valorizamos a diversidade.

Notícias Relacionadas