Entrevista: Ana Isabel Martins, autora do livro “O Guarda Chuva Amarelo”

> Sociedade > Entrevista: Ana Isabel Martins, autora do livro “O Guarda Chuva Amarelo”
Jornal A Guarda

“Nutro um carinho especial pela escrita infantil e sinto-me feliz porque o meu primeiro livro editado é para crianças,
mas não escrevo só para elas…”

Ana Isabel Martins, autora do livro “O Guarda Chuva Amarelo”, é natural da Guarda. Frequentou a Escola Primária pública do Outeiro de S. Miguel, a Escola Preparatória de Santa Clara, a Escola Secundária da Sé e o Instituto Politécnico da Guarda. Concluiu o Mestrado na Universidade da Beira Interior, na Covilhã. Nos tempos livres gosta de ler, escrever, desenhar, ouvir música, conversar e viajar.

A GUARDA: Quem é Ana Isabel Martins e o que a liga à Guarda?

Ana Isabel: É difícil falarmos de nós próprios, as nossas lentes têm uma visão de dentro para fora e os outros veem-nos, sempre, do lado de lá…
Ana Isabel Martins é dotada de uma sensibilidade ímpar, com aptidões especiais para as artes visuais e a escrita, tem um apurado sentido de organização e perfeccionismo e possui uma grande facilidade de integração, capacidade de comunicação e adaptação a ambientes multiculturais. Prioriza os valores morais, o espírito de entreajuda e os afectos, conceitos incutidos no seio familiar.
Nasceu na Guarda, onde viveu até à conclusão do Bacharelato e está ligada à cidade por elos familiares e pelas recordações da infância e da juventude. A cidade granítica está espelhada no olhar da autora em postais ilustrados, com fotografias de nevões gelados, de dias envoltos em nevoeiro e de outros, com sol de queimar as calçadas. É aqui que se sente em “casa”, onde encontra paz junto das pessoas que têm, nesta cidade, uma identidade calorosa e um registo único.

A GUARDA: Como apareceu o gosto pela leitura, pela escrita e pelo desenho?
Ana Isabel: O gosto pela leitura surgiu desde tenra idade, recordo-me sempre de ver a minha irmã, ligeiramente mais velha do que eu, embrenhada em livros e a minha mãe, embora nunca tenha ido à escola, incentivava-nos e deleitava-se a ouvir-nos ler.
Quanto à escrita, já na primária gostava de fazer redacções, de compor frases, inventar histórias e criar textos. Lembro-me de, terminada a primeira classe, com seis anos, ter ido de férias à praia e ter escrito uma extensa carta à minha mãe, que ela guardou com carinho e orgulho. Em adolescente, gostava de escrever diários e em todo o percurso académico esmerei-me na disciplina de Português. Nunca descurei o gosto pela escrita correta, quer na vida profissional, quer na vida quotidiana e dói-me ver erros de português.
Desde que me lembro de ser eu que gosto muito de desenhar e nas minhas primeiras palavras, conta a minha mãe, estavam incluídas as cores, que aprendi mal comecei a falar. Considero que “sofro” de um certo tipo de sinestesia, uma vez que, para mim, todas as palavras têm uma cor. Também o nome do livro destaca a minha cor preferida.
Sempre quis frequentar um curso de Artes e Pintura, mas ainda não foi possível a concretização deste sonho.
Quero frisar que sou oriunda de uma família muito humilde e, na minha infância, há quarenta anos, o acesso à televisão era restrito. Lembro-me de já ter abandonado a escola primária há muito quando a primeira televisão, ainda a preto e branco, entrou na casa dos meus pais. A programação também era limitada e, nessa altura, os livros eram os veículos que nos traziam o mundo e nos permitiam abrir os horizontes do conhecimento.

A GUARDA: Como é que uma Engenheira Civil se dedica à escrita para crianças?
Ana isabel: Em 2016, uma doença natural crónica levou-me a suspender a actividade profissional. Com a alteração de rotinas, a vontade de escrever, adormecida durante os anos intensamente dedicados à engenharia civil, despertou e escrevo sempre ao “correr da pena”, uma vez que as palavras brincam dentro de mim, prontas a saltarem e delicia-me organizá-las e adjectivá-las, ordená-las em frases e textos, como telas de letras, com pinceladas de sentimentos…
Nutro um carinho especial pela escrita infantil e sinto-me feliz porque o meu primeiro livro editado é para crianças, mas não escrevo só para elas e acalento o sonho de editar livros para outro tipo de público. Gostava de publicar, tão breve quanto possível, uma compilação de textos que tenho vindo a escrever, sobre temas diversos e estados de alma.
Devido à suspensão da minha actividade profissional por motivos de saúde, a situação económica ruiu. Espero que este livro dê a conhecer a minha forma de me expressar e que o público goste da minha escrita, o que me possa permitir perspectivar novas saídas profissionais.
Desde a publicação do livro, em 2020, tem sido difícil a sua promoção e divulgação, uma vez que este período temporal coincidiu com a actual pandemia.

A GUARDA: O que é que o levou a publicar o livro “O Guarda Chuva Amarelo”?

Ana Isabel: Em 2019, dei a conhecer a história à Editora “Cordel d`Prata”, que manifestou interesse na sua edição. Acarinhei imediatamente a possibilidade de editar um livro e empreendi a sinuosa e atribulada caminhada que permitiu esta edição.

A GUARDA: Apesar de gostar de desenho não ilustrou o seu livro. Houve alguma razão para o não fazer?

Ana Isabel: É política interna da Editora tratar da ilustração, uma vez que dispõe de profissionais contratados habilitados para o efeito. Limitei-me a traçar as directrizes e procurei definir pontos fundamentais das ilustrações.

A GUARDA: A quem é destinado e dedicado este livro?

Ana Isabel: Este livro é dedicado ao meu sobrinho Leonardo, uma das pessoas mais importantes para mim e a mais parecida comigo na maneira de ser, temos uma enorme afinidade e ele está sempre presente na minha vida.
Penso que todos nós guardamos as pessoas num determinado estágio da vida em que nos cruzámos com elas ou nos marcaram e eternizamos essa imagem delas, é a imagem que sobressai quando as recordamos e, por isso, nos custa tanto aceitar que mudam, crescem, adoecem, envelhecem e partem, porque isso nos obriga a mudar o diapositivo que temos gravado no nosso arquivo de memórias.
Para mim, o meu sobrinho é sempre criança e, apesar de já não conseguir pegar-lhe ao colo, pelo tamanho dele, e ser ele quem me pode, literalmente, dar colo, o Leonardo é eternamente criança no meu coração… O meu livro destina-se a crianças entre os sete e os doze anos, mas é transversal a todas as idades porque a história projecta valores universais, como a amizade e a solidariedade. Todos nós, embora cresçamos, nunca despimos a infância da nossa alma, sobrepomos idades e damos-lhes uma roupagem adulta mas, por baixo, fica sempre a nossa indumentária de crianças.

A GUARDA: Já venceu o Concurso literário – Prémio Dr. João Isabel, promovido pelo Município de Manteigas?

Ana Isabel: Em 2019, na 20ª Edição do Concurso Literário – Prémio Dr. João Isabel, organizado pelo Município de Manteigas, foi-me atribuído o 1º Prémio – Prosa – Conto, com o trabalho “Arco-Íris” e no ano seguinte fui distinguida com o 3º Prémio, na mesma categoria, com o trabalho “A rainha e o peão”.

A GUARDA: No seu ponto de vista o que é necessário fazer para motivar as gerações mais novas para a escrita e para a leitura?
Ana Isabel: A sociedade actual vive a correr, está constantemente a ser bombardeada por imagens em movimento que saltam dos écrans. Não existe uma cultura de intervalos, de paragens, da aprendizagem da apreciação dos silêncios e da meditação.
Torna-se mais aliciante para as crianças verem imagens em movimento do que ler livros com frases paradas e imagens estáticas. É-lhes dado um telemóvel, para se distraírem ou calarem, antes de aprenderem a falar e convivem com os adultos, continuamente, agarrados aos écrans.
Não chega oferecer livros às crianças para as incentivar a ler, é necessário o exemplo e que lhes leiam histórias desde cedo, que lhes seja dado tempo e espaço para brincadeiras e leituras.
Noutros tempos, a comunicação passava por cartas e as pessoas eram obrigadas a escrever. Actualmente, os telemóveis e as mensagens rápidas, muitas vezes com abreviaturas, fazem as pessoas esquecerem-se da forma correta de escrever. No actual sistema de ensino prioriza-se o sucesso escolar e pisam-se algumas exigências com as disciplinas básicas de Português e Matemática. Paralelamente, existe uma triste cultura de tolerância com os erros ortográficos na imprensa, em quadros superiores ou em discursos políticos…
As crianças não sentem necessidade de pesquisar nos livros porque a internet, à distância de um clique, tem respostas imediatas para tudo. É necessário reformular a educação e o ensino para incentivar as crianças a lerem, o que prestigia a imaginação e promove a expressão escrita.
Quem mal lê, mal escreve, mas quem bem lê, bem escreve…

Últimas notícias

17 de Maio, 2024
Município de Seia assinala Dia Municipal do Bombeiro
17 de Maio, 2024
Jornal A GUARDA celebra 120 anos de história
17 de Maio, 2024
Fundação Nova Era Jean Pina ajuda instituições em Portugal e França
17 de Maio, 2024
Quercus atribui “Qualidade de Ouro” a dez praias da região da Guarda
17 de Maio, 2024
Jornada diocesana de pastoral familiar dedicada à caminhada sinodal

Notícias Relacionadas