Territórios do Interior vão ser prioridade na promoção turística nacional

Secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços apresentou Agenda para o Turismo no Interior

Nuno Fazenda, Secretário de Estado do Turismo, Comércio e Serviços, anunciou o objectivo de promover os territórios do Interior a nível do turismo, discriminando-os de forma positiva em relação ao litoral. As declarações foram feitas numa sessão pública sobre a Agenda para o Turismo no Interior, que decorreu no Auditório da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu.
“A coesão territorial é uma prioridade deste Governo e, nesse sentido, os territórios do Interior devem ser uma prioridade na promoção turística”, afirmou o governante, acrescentando que “o Interior tem produtos turísticos únicos que devem ser valorizados”.
Para concretizar esta intenção, o Secretário de Estado exemplificou com medidas que discriminam positivamente os territórios do Interior. São os casos do programa Consolidar + Turismo, que prevê mais apoios para empresas do Interior; do Portugal Events, que vai diferenciar positivamente os eventos que decorram em destinos afastados do litoral; e da valoração adicional das produções internacionais que escolham filmar em territórios de baixa densidade, ao abrigo da Portugal Film Commission. Nuno Fazenda anunciou ainda que o Governo pretende apresentar a Agenda para o Turismo no Interior em Abril.
A sessão em Viseu integrou o Roteiro da Agenda para o Turismo no Interior, que o governante realizou pelo interior do país, entre 31 de Janeiro e 3 de Fevereiro, com o objectivo de ouvir e debater com os actores locais os desafios, as potencialidades e as prioridades do turismo no interior.
O presidente do Turismo Centro de Portugal, Pedro Machado, salientou a preocupação em combater a sazonalidade, a litoralização e a reduzida estadia média, assim como o despovoamento, problemas que afectam a actividade turística no Interior. Para fazer face a estas dificuldades, defendeu que devem ser destacados os grandes trunfos do Interior do país. “O Interior de Portugal é o luxo do século XXI, uma vez que oferece tempo, silêncio e segurança. Se passarmos esta mensagem aos mercados internacionais, nomeadamente os mercados emergentes, seremos capazes de atrair mais turistas a estes territórios”, disse.
O painel, intitulado “O Turismo no Interior e no Centro – Redes e Conhecimento”, moderado por Filipe Silva, Vogal do Conselho Directivo do Turismo de Portugal, teve intervenções de Jorge Brandão, Vogal Executivo do Programa Centro 2020, Carlos Ascensão, Presidente das Aldeias Históricas de Portugal, e Paulo Fernandes, Presidente da ADXTUR – Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto.
O segundo painel da sessão teve como tema “O Turismo no Interior e no Centro – As Empresas”.

Notícias Relacionadas