PS exige esclarecimentos sobre saída da vereadora Diana Monteiro

Câmara da Guarda

A demissão da vereadora Diana Monteiro, do cargo de vereadora na Câmara Municipal da Guarda, levou a Comissão Política Concelhia do Partido Socialista da Guarda a pedir esclarecimentos sobre o assunto.
Em conferência de imprensa realizada esta segunda-feira, 20 de Novembro, o presidente da concelhia António Monteirinho disse que “o pedido de demissão exige esclarecimentos urgentes por parte do presidente da Câmara da Guarda”.
Depois do Presidente da autarquia Sérgio Costa ter anunciado que a demissão da vereadora Diana Monteiro resultou de uma decisão pessoal, os socialistas vieram a público exigir mais esclarecimentos.
A vereadora que estava à frente dos pelouros da Divisão Financeira e de Aprovisionamento, Divisão de Mobilidade, Divisão de Desporto e Saúde, Divisão de Economia e Turismo, Gabinete de Autoridade Sanitária Veterinária Municipal, e Gabinete de Participações Sociais, foi conhecida na última sexta-feira, 17 de Novembro.
António Monteirinho disse que “a Guarda e as suas gentes merecem saber o que motivou esta saída “a meio do mandato da vereadora responsável pelo pelouro financeiro neste momento tão crucial em que se aproxima a apresentação do orçamento autárquico para 2024”. E acrescentou: “As explicações dadas até agora pelo presidente da Câmara são tudo menos esclarecedoras. Não aceitamos que o senhor presidente diga que foi por motivos exclusivamente pessoais. O presidente tem de esclarecer a população”.
Em declarações aos jornalistas, António Monteirinho associou a saída de Diana Monteiro a “discordâncias profundas” na elaboração do orçamento para 2024. E explicou: “Aquilo que nós vamos sabendo é que existe uma descoordenação total e um descontrolo total das finanças da autarquia”.
O presidente da concelhia do PS Guarda referiu que “o Movimento Pela Guarda não tem maioria absoluta e por isso o executivo deve fazer uma avaliação se ainda tem condições para se manter em funções”.
Perante a actual situação, António Monteirinho disse que o PS vai utilizar todos os instrumentos ao dispor na Câmara Municipal e também na Assembleia Municipal para “fazer uma oposição mais acérrima e mais incisiva em relação áquilo que têm sido as decisões do executivo”.
Sobre o orçamento para o próximo ano explicou que o PS ainda não decidiu o sentido de voto. E explicou: “Não sabemos nada do que irá ser o orçamento e agora ficámos com mais dúvidas, uma vez que a vereadora que tinha esse pelouro demitiu-se”.
Recorde-se que o actual executivo da Câmara da Guarda tomou posse no dia 16 de Outubro de 2021 e é composto por três eleitos do Movimento Pela Guarda, três do PSD e um eleito do PS.

Notícias Relacionadas