Joaquim Brigas pediu novas instalações para a Escola de Saúde

Instituto Politécnico da Guarda

O Presidente do Instituto Politécnico da Guarda pediu “um novo edifício” para a Escola de Saúde que permita atrair mais estudantes para a Guarda.
A reivindicação aconteceu na Assembleia Participativa sobre a implementação da Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável organizada pela Presidência do Conselho de Ministros em conjunto com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Ministério da Educação e o IPG.
No Dia Mundial do Estudante, o presidente do IPG – Instituto Politécnico da Guarda pediu apoio à ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato, para a construção de um novo edifício para a Escola Superior de Saúde, no campus de IPG, por falta de capacidade para acolher mais estudantes. Joaquim Brigas deu conta desta preocupação na Assembleia Participativa sobre a implementação da Agenda 2030 das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável organizada pela Presidência do Conselho de Ministros em conjunto com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, o Ministério da Educação e o IPG.
“Precisamos de um novo edifício que faça justiça a uma escola que, ano após ano, esgota todas as vagas para todos os seus cursos na primeira fase das candidaturas ao ensino superior”, afirmou Joaquim Brigas. E acrescentou: “Há muito tempo que não há espaço para os alunos na actual Escola de Saúde, decorrendo as aulas na Escola de Tecnologia e Gestão que também está em crescimento com a recente diversificação da oferta formativa”.
A falta de residências foi outra das dificuldades apontadas pelo presidente do IPG, referindo que muitos estudantes não chegam a ter condições para se matricular. “Este é um problema estrutural deste Politécnico e o maior entrave ao seu crescimento porque, ao contrário de outras cidades no país, onde andam à procura de estudantes para ocupar as residências, na Guarda não há alojamento condigno a preços acessíveis”, considerou.
A ministra da Ciência Tecnologia e Ensino Superior elogiou o trabalho que o IPG tem desenvolvido. Elvira Fortunato deu os parabéns ao Politécnico da Guarda “por estar envolvido em três laboratórios colaborativos, por priorizar a contratação de profissionais altamente qualificados, pelo trabalho que tem desenvolvido na transferência de conhecimento para a sociedade e pela sua capacidade de transformar o conhecimento em inovação”. E acrescentou: “As instituições politécnicas têm um papel vital, nomeadamente em regiões de menor demografia, na atracção e fixação de pessoas e de empresas”.
Na intervenção, o Presidente do Politécnico deu ainda conta do empenho da instituição em continuar a estreitar relações com empresas nas áreas da logística e da tecnologia, aproximando os estudantes à realidade do mercado e respondendo às necessidades do território. Recorde-se que o Politécnico da Guarda tem trabalhado em conjunto com multinacionais, como é o caso da Noesis e da Fortinet que têm escritórios no campus do IPG, e criou um CTeSP e uma pós-graduação executiva na área da logística, em parceria com empresas da região.
Para além da ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, a iniciativa contou com a presença dos secretários de Estado do Ensino Superior, Pedro Nuno Teixeira, da Presidência do Conselho de Ministros, André Moz Caldas, e da Educação, António Leite, e do presidente da Câmara Municipal da Guarda, Sérgio Costa.
A Assembleia Participativa foi dedicada ao Objectivo de Desenvolvimento Sustentável “Educação de Qualidade” e teve lugar no auditório dos Serviços Centrais do IPG.

Notícias Relacionadas