Indisponibilidade dos médicos em fazer mais horas extraordinárias condiciona urgências

Hospital da Guarda

O serviço de Urgência do Hospital da Guarda vai funcionar de forma condicionada aos feriados e fins-de-semana devido à indisponibilidade dos médicos em fazer mais horas extraordinárias.
Em comunicado, a Unidade Local de Saúde da Guarda refere que “o Serviço de Urgência do Hospital Sousa Martins vai estar aberto 24 horas”, mas “devido ao constrangimento causado pela indisponibilidade apresentada pelos médicos, o funcionamento será condicionado nos feriados e fins-de-semana”. Devido a esta situação, A Unidade Local de Saúde da Guarda pede à população “a maior compreensão e que recorra sempre que possível aos serviços disponibilizados pelos Centros de Saúde da área de residência”.
A Unidade Local de Saúde da Guarda lembra que “à Urgência só quem é urgente”.
O presidente da Câmara Municipal da Guarda, Sérgio Costa, já veio a público lamentar profundamente a situação, defendendo que o que se deve impor é “o bom senso e o sentido de responsabilidade, a começar pelos responsáveis governamentais, passando pelas administrações regionais de saúde e a administração do SNS e naturalmente às administrações locais de todas as ULS do hospital da Guarda, à Ordem dos Médicos”.
Sérgio Costa lamenta que a situação tenha sido arrastada até este ponto, bem como o facto de os responsáveis da área não terem acautelado devidamente, em devido tempo, a saúde das pessoas e de todos os cidadão, não só do concelho da Guarda, mas da área de abrangência do Hospital Sousa Martins.
Para Sérgio Costa “todos devem ser responsáveis e terem sentido de responsabilidade, porque aquilo que está em causa é a manutenção da saúde das pessoas e com a saúde ninguém deve brincar neste país”.
O autarca disse que já falou com o ministro da Saúde, mas, uma vez que a situação “não está a caminhar num sentido favorável”, é forçado a deixar alguns “avisos”.
Sérgio Costa disse que o Ministro estava a acompanhar a situação mas, perante as notícias vindas a público na sexta-feira considerou que “as coisas não estão a caminhar num sentido favorável”. Deixou um apelo no “sentido de responsabilidade de todos os envolvidos, a começar na chefia governamental, a terminar nos médicos, toda a cadeia hierárquica do SNS porque está em causa a saúde pública do nosso país, da nossa região, do nosso concelho”.
Sérgio Costa referiu que “a saúde das pessoas não pode estar em causa”. Prometeu recorrer aos tribunais e responsabilizar todos os responsáveis por alguma situação que possa surgir.

Notícias Relacionadas