Câmara da Guarda aprovou 50 bolsas de estudo para alunos do ensino superior

Medida vai beneficiar alunos do concelho

A lista dos 50 estudantes do ensino superior do concelho a quem vão ser atribuídas bolsas de estudo, num total de cerca de 160 mil euros, foi aprovada pela Câmara Municipal da Guarda, na reunião do dia 10 de Janeiro.
“Hoje foi aprovada a lista definitiva e nas próximas semanas, tudo indica que nós podemos atribuir este montante, a estes alunos, que bem dele necessitam para poderem prosseguir, com sucesso, os seus estudos”, disse o presidente da Câmara da Guarda. Sérgio Costa referiu ainda que “os alunos que tenham aproveitamento no ensino superior não podem ficar dependentes da sua situação económica dita mais carente”.
O autarca adiantou que “o município tem uma responsabilidade acrescida para ajudar estes alunos a concluir o seu ciclo de estudos no mais curto espaço de tempo e com sucesso”.
Na reunião também foi aprovada uma alteração ao projecto de regulamento municipal de apoio às associações culturais, desportivas e juvenis do concelho da Guarda.
Sérgio Costa disse que a autarquia pretende criar um único regulamento de apoio ao associativismo do concelho, evitando que o assunto esteja divido em vários regulamentos em função da área. E explicou: “Achamos por bem que haja apenas um único regulamento de apoio ao associativismo, com várias secções. As secções culturais, desportivas, sociais, juvenis, ambientais e outras de interesse público ”.
Durante o ano de 2023 foram postos vários regulamentos em revisão e “dois ou três foram aprovados, ou já foram publicados ou estão na fase de publicação”, e outros estão em curso. Em relação ao regulamento municipal de apoio às associações culturais “o trabalho está muito adiantado”.
Sérgio Costa pretende que o novo regulamento de apoio ao associativismo no concelho da Guarda possa entrar em discussão pública, “no mais curto espaço de tempo”.
Neste ponto, Carlos Chaves Monteiro disse que os vereadores do PSD questionaram o executivo em relação à falta de apoio à Unidade Portuguesa de Intervenção e Resgate (UPIR), associação sem fins lucrativos criada na Guarda em 2022.
O vereador do PSD explicou que esta associação “tem desempenhado uma função relevante do ponto de vista social, reconhecida pelo comando da GNR em acções conjuntas que têm tido no nosso distrito”. E acrescentou: “Entendemos que esta associação, composta por 22 elementos, como médicos, professores e operacionais, merece ser apoiada e a Câmara tem de ser sensível”.
Sobre esta questão, o presidente da Câmara explicou que a associação em causa “não é cultural, nem desportiva, nem juvenil, nem social, nem ambiental” e “não cabe nos apoios ditos ordinários nos nossos regulamentos” e por isso “não pode ser apoiada com apoios ordinários”. Sérgio Costa disse que a associação foi informada de que “podem fazer o pedido de um apoio extraordinário para nós fazermos essa análise”. Lembrou que a autarquia trata todas as associações “com a máxima equidade” dando total abertura a um pedido de apoio da Unidade Portuguesa de Intervenção e Resgate, “sem megalomanias e com os pés assentes na terra”.

Notícias Relacionadas