Ciclo de Festivais de Cultura Popular da Guarda com direito a passaporte

Iniciativa começa com a Festa do Chichorro, em Vila Mendo

A vaca autóctone jarmelista, a lã, o pão, a cestaria, os enchidos, a castanha, o azeite e tantas outras tradições e produtos da Guarda vão dar o mote ao Ciclo de Festivais de Cultura Popular da Guarda que acontecerá entre 28 de Janeiro e 19 de Novembro de 2023. Este ano, os participantes podem carimbar um passaporte que, no final, pode dar direito a um super – cabaz de produtos locais.
A Festa do Chichorro marca o arranque do Ciclo de Festivais de Cultura Popular, já no próximo sábado, dia 28 de Janeiro, em Vila Mendo, o onde o Chichorro vai ser protagonista.
O Festival dos Enchidos acontece a 25 e 26 de Março, na Castanheira, onde as tradições ligadas à matança do porco são, ainda hoje, para algumas famílias uma tradição importante.
A 39ª edição da Feira Concurso do Jarmelo acontece a 4 de Junho tendo como objectivos promover a raça bovina autóctone – a Vaca Jarmelista, o diálogo e a aproximação entre os vários sectores de actividade locais, com o intuito de desenvolver o Jarmelo e toda a região envolvente.
No fim-de-semana que se segue, dias 10 e 11 de Junho, a união de Freguesias de Corujeira – Trinta recebe as Jornadas da Lã. Esta actividade pretende relembrar antigas práticas que antecediam a partida das ovelhas do flanco serrano.
Para que a memória perdure no tempo, com a iniciativa Viagem às Raízes, em Arrifana, nos dias 1 e 2 de Julho, serão revividas duas das tradições existentes na aldeia, a malha do centeio e o teatro.
Em Gonçalo, nos dias 8 e 9 de Julho, a promoção e valorização da cestaria tradicional de vime é a razão para a realização do Festival da Cestaria.
O Festival do Peixe do Rio surge, a 29 e 30 de Julho em Valhelhas, com o propósito de promover o desenvolvimento económico, social e cultural local.
Já em Agosto, nos dias 5 e 6, Videmonte acolhe mais uma edição do Festival Pão Nosso no qual o pão e todo o processo que está relacionado com o seu fabrico, até chegar às mesas, são o mote do Festival “Pão Nosso”.
Tendo o rio Mondego como cenário, o Festival das Mondegueiras acontece a 12 e 13 de Agosto, em Aldeia Viçosa, com o objectivo de promover as culturas agrícolas e patrimoniais do farto Vale do Mondego.
Nos dias 19 e 20 de Agosto, em Rapoula, acontece o 1º Festival Cultural e Gastronómico de Pêra do Moço “Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?”.
O Festival do Cobertor de Papa volta, para mais uma edição, nos dias 9 e 10 de Setembro, em Maçainhas, o único local onde se mantém viva a tradição artesanal desta arte ancestral.
Nos dias 21 e 22 de Outubro, a Festa do Saber e Sabor da Marmelada, na freguesia de Marmeleiro, é o mote para um fim-de-semana doce no que à gastronomia diz respeito.
A Festa da Castanha, a 28 e 29 de Outubro em Aldeia do Bispo, é um evento de animação sócio comunitária, focado na preservação e valorização dos produtos endógenos da terra, em particular do precioso fruto de Outono, a castanha, e na promoção da reflorestação de novos castanheiros.
Em Famalicão da Serra, nos dias 4 e 5 de Novembro, à castanha junta-se a jeropiga para a promoção dos recursos endógenos e a salvaguarda de saberes ancestrais com a Festa da Castanha e da Jeropiga, que pretende, acima de tudo, homenagear uma comunidade que se distingue por conservar a sua identidade cultural.
O Ciclo de Festivais de Cultura Popular de 2023 encerra no Vale da Teixeira, com o 1º Festival do Azeite do Vale da Teixeira, que decorre nos dias 18 e 19 de Novembro, em Benespera, João Antão, Ramela e Vela.
Para a edição deste ano a autarquia da Guarda criou um “Passaporte” com a informação relativa aos Festivais de Cultura Popular e onde cada Entidade Organizadora validará, com o respectivo carimbo alusivo à iniciativa, a participação do “Festivaleiro”. Em Dezembro serão sorteados três Passaportes que ganharão três super – cabazes de produtos e experiências no Mundo Rural do Concelho.
Os Festivais de Cultura Popular 2023, promovidos pelo Município da Guarda, decorrem sob a organização de juntas de freguesia, colectividades e associações locais, com o apoio da Associação para o Desenvolvimento Integrado da Rede das Aldeias de Montanha (ADIRAM).

Notícias Relacionadas