Questiona-te para avançar …

DOMINGO III DO ADVENTO

A Liturgia da Palavra deste terceiro domingo do advento, propõe-nos a ALEGRIA, como atitude de quem sabe que o Senhor está próximo, e por isso, o Profeta Isaías relembra-nos que “O nosso Deus está aí, Ele próprio vem Salvar-nos”. (Is 35,5)
É este estar próximo e a Sua vontade Salvífica que são as razões fundamentais para nos alegrarmos e para que a Natureza seja chamada a participar desta alegria.
Este terceiro domingo do advento é denominado como Gaudete, isto é, domingo da alegria e assim os cristãos na preparação para acolher o Salvador manifestem este júbilo porque Ele está próximo, está mesmo a chegar, sendo Ele a causa da nossa alegria.
Assim o povo que no exílio estava ansioso para regressar à sua terra, vê nas palavras do Profeta, a Esperança que reforça o seu desejo e a certeza do caminho de regresso feito com entusiasmo e alegria e também com a felicidade estampada no rosto.
O caminho do advento, requer como nos diz São Tiago na segunda leitura a Paciência necessária para que se transforme, depois de ultrapassada toda e qualquer espécie de dificuldades, em festa de acolhimento, de presença salvífica e de alegria transformadora.
Perspetivar assim a chegada d’Aquele que vem salvar-nos, requer da nossa parte a manifestação desta vontade expressa na nossa oração diária neste tempo do advento: Vinde, Senhor e salvai-nos.
O texto do evangelho para este domingo do advento, coloca-nos na figura do Percursor, João Batista, aquele que manda perguntar, através dos discípulos, a Jesus: “És Tu Aquele que há-de vir ou temos de esperar outro?” (Mt 11, 6) Interrogar alguém que era O esperado, manifestava a vontade de acolher O verdadeiro, assim como interrogar-nos manifesta o desejo de querer conhecer mais e melhor.
Nos caminhos da vida é necessário questionar-me, é preciso interrogar-me, para que vá à procura das respostas e é este caminho de procura das respostas que nos enriquece, que nos faz crescer, que nos motiva para seguirmos em frente.
Então, o questionar-se, não é uma forma de negação, mas um meio excelente de fazer caminho na Vida e na Fé.
A resposta de Jesus aos discípulos de João Batista, confere com a descrição messiânica de Isaías: “Os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são curados, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam e a Boa Nova é anunciada aos pobres.” (Is 61,1) e por isso, vista e escutada por eles é o que vão dizer a João.
Questionar-se para que as respostas sejam encontradas na vivência da Fé, no dia a dia, é a forma que todos temos de crescer na Fé e na Confiança n’Aquele que se fez um de nós para que pudéssemos acolhe-Lo e acolher o Seu Evangelho e assim este crescimento se vá concretizando nos caminhos da nossa vida.
Qual foi a última vez que me questionei sobre a minha Fé? Neste tempo do advento é necessário interrogar-me sobre a minha condição de crente.
O acontecimento do Natal levanta-me alguma dúvida na minha fé?
Como atualizo o fato do nascimento de Jesus ter acontecido como relata o evangelho? Hoje aconteceria de modo diferente?

Notícias Relacionadas