Mensagem para o Dia Mundial do Turismo denuncia “violência contra a natureza”

Vaticano apela a “investimentos sustentáveis” para proteger ambiente e património cultural

O Vaticano divulgou a sua mensagem para o 44º Dia Mundial do Turismo, no dia 26 de Maio, apelando a “investimentos sustentáveis” no sector, que protejam o ambiente e o património cultural.
“A atenção para com a criação permite que os cristãos promovam também uma forma de economia que não tenha como objectivo a maximização do lucro, que muitas vezes leva à violência contra a natureza, com fortes repercussões na dignidade da pessoa”, refere o texto, assinado por D. Rino Fisichella, pro-prefeito do Dicastério para a Evangelização.
‘Turismo e investimentos verdes’ é o tema escolhido pela Organização Mundial do Turismo para o Dia Mundial docTurismo, que se celebra este a 27 de Setembro.
“Favorecer os investimentos sustentáveis é também um testemunho de fé, que se baseia no respeito pela natureza, criada e confiada a nós por Deus. De facto, a atenção para com a criação e a sua preservação fazem parte da mensagem bíblica”, indica o organismo da Santa Sé.
A mensagem destaca a ligação entre “economia sustentável e dignidade humana”, sustentando que “o primado da ética não pode ser obscurecido pela sede de lucro”.
“Não se pretende com isto bloquear o progresso tecnológico e nem sequer o desenvolvimento económico. A atenção e o apoio aos investimentos sustentáveis não podem, portanto, ser considerados como um entrave, mas sim como uma visão de longo alcance que se abre a projectos a longo prazo, sem cair na miopia do lucro imediato”, refere D. Rino Fisichella.
O Vaticano pede ainda uma aposta na “preservação cultural e espiritual”, considerando necessário que os investimentos “não tenham como único objectivo o turismo de massas, possível veículo de perda de identidade cultural e religiosa”.
Relativamente às obras de arte, que desde há séculos são parte do património da humanidade e que se tornam o destino de turistas de todo o mundo, é útil reafirmar que a sua protecção é responsabilidade de todos, pelo que se deve condenar convictamente qualquer forma de violência que atente contra a sua conservação”.
A mensagem desafia as comunidades católicas a ser acolhedoras, relativamente aos turistas, que deve ser mais do que um “cliente”. “Num contexto cultural em que predomina a indiferença, é decisivo que os cristãos sejam testemunhas de um acolhimento que deixe as pessoas à vontade e as faça experimentar a fraternidade”, refere a mensagem.
D. Rino Fisichella, responsável pela secção para as “questões fundamentais da evangelização no mundo”, no Dicastério para a Evangelização, encerra o texto com uma evocação do próximo Jubileu, o Ano Santo de 2025.
“Não deixemos de contemplar a beleza da criação no cuidado da nossa casa comum, que nos foi confiada por Deus”, escreve.

Notícias Relacionadas