Santos do Povo

A comemoração dos designados Santos Populares marca o mês de Junho, nas vivências comunitárias da maior parte das localidades da região e do País. O cheiro a sardinha e a rosmaninho entranha-se de uma forma quase natural, um pouco por todo o lado. Em muitos lugares a gastronomia recupera os sabores de antigamente com o caldo de grão, o caldo de couves, a sardinha e a entremeada a pingar no pão. É tempo de convívio e tradição com a envolvência de bairros e associações.

Na Guarda os Santos Populares andam de bairro em bairro, através da iniciativa “Santos da Guarda”. Ao longo de praticamente todo o mês de Junho, há festa na cidade. E o povo não se cansa marcando presença e repetindo sons, cantigas, sabores e cheiros.

Depois de passar pelos Bairros de São Domingos, Galegos, Bonfim, Torrão, Nossa Senhora de Fátima, Alfarazes, Lameirinhas, Sequeira, Póvoa do Mileu, Luz, São Vicente e Pinheiro, a festa continua na Praça do Município e Jardim José de Lemos. Na Festa de Encerramento, que dura três dias, há ofertas para todos os gostos com a Boneca dos santos, marchas populares, concurso de caldo de grão, artesanato, música, gastronomia e animação.

Mas, e os Santos Populares onde ficam? Em todo este emaranhado de propostas quem se lembra de Santo António, São João ou São Pedro e São Paulo?

A evocação dos santos, com o seu exemplo e a sua memória, acaba por cair no esquecimento pois outros valores se levantam. Mesmo assim, o povo gosta de sair à rua e de celebrar os ditos Santos Populares, gosta de folia e de festa. Já agora, não se esqueça, hoje é dia de Santo António, um português do mundo, que se distinguiu pela pregação eloquente e pelo testemunho de vida. 

Notícias Relacionadas