Memória das Vítimas do Holocausto

Recordar para que não volte a acontecer é o grande propósito do Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, que se assinala a 27 de Janeiro de cada ano.

Implementado através da Resolução 60/7 da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), a 1 de Novembro de 2005, este dia serve de referência a um tempo menos bom da história da humanidade.
O genocídio em massa de seis milhões de judeus pelos Nazis, com a ajuda de muitos colaboradores, marcou profundamente a vida de tantos homens, mulheres, jovens e crianças.
O Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto procura educar para a tolerância e para a paz, bem como alertar para o combate ao antissemitismo.
No revisitar da história é importante reconhecer a coragem extraordinária de tantas vítimas e sobreviventes do Holocausto. Durante o Holocausto, os nazis não olharam a meios para desumanizar as vítimas, tirando-lhes toda a dignidade.
Perante tamanha tragédia é importante olhar os que tiveram a coragem de enfrentaram os nazis, apesar dos graves riscos, de modo a honrar o seu legado com as suas histórias.
A Resolução 60/7 não estabelece apenas o dia 27 de Janeiro como o “Dia Internacional de Comemoração em Memória das Vítimas do Holocausto”, mas rejeita qualquer tipo de negação da existência do Holocausto. A resolução encoraja os estados-membros da ONU a preservarem activamente os locais que foram utilizados pelos nazis para a “Solução Final”, nomeadamente os centros de extermínio, os campos-de-concentração e as prisões.
A Resolução condena todas as formas de intolerância religiosa, incitação, perseguição, ou violência contra pessoas ou comunidades com base na sua origem étnica ou crença religiosa, por todo o mundo.
Para que a memória não se apague é importante incentivar os mais novos a procurar testemunhos de quem viveu a dura e triste realidade do Holocausto. “O Tatuador de Auschwitz”, “A Mulher que Escondeu Anne Frank”, “As Gémeas de Auschwitz”, “ Um Longo Caminho em Auschwitz”, entre muitos outros títulos, podem ajudar a avivar memórias para que não volte a acontecer tamanha tragédia. E já agora, passe por Vilar Formoso e entre no Memorial aos Refugiados e ao Cônsul Aristides de Sousa Mendes.

Notícias Relacionadas