Fomos conhecer o compromisso da Dacia para o futuro, e as suas novidades!

Fomos até Paris conhecer não apenas as novidades na gama Dacia, mas também o compromisso da marca para os próximos anos.

Tudo isto numa altura em que a marca é líder no mercado de vendas a particulares, em Portugal, e a 3ª na Europa. O Duster, por exemplo, é o SUV mais vendido na Europa. Ao contrário do que acontece com a maior parte dos construtores, não se preveem mais modelos 100% elétricos, mas o GPL estender-se-á a toda a gama do construtor, incluindo o SUV do segmento C que chegará em 2024, o Bigster.
No primeiro está a filosofia da marca em oferecer apenas o essencial e nada mais que seja considerado supérfluo. Nem mais, nem menos. E se por um lado isto não significa oferecer automóveis monótonos ou enfadonhos, pelo contrário, por outro é premissa que o design nunca comprometa os custos de produção. Para além disso, ao longo dos últimos 18 anos a marca tem sabido adaptar o que é “essencial”. É o caso do novo sistema Media Control da Dacia que, de uma forma rápida e inteligente, permite emparelhar o smartphone dos proprietários com o automóvel para desfrutar de todas as características e funções essenciais, estando disponível de série.
O segundo pilar representa a robustez que sempre foi característica dos modelos da marca e que, cada vez mais, vai ao encontro da aventura e das atividades de lazer no exterior. São exemplo disso as novas barras de tejadilho modulares, substitutas da versão tradicional vendida como um acessório opcional, ou a tração integral em alguns dos seus modelos. Mais ainda se falarmos do kit, que estará disponível em 2023, que permite, em minutos, montar uma verdadeira cama dupla no Dacia Jogger, sem esgotar a bagageira, algo do qual falaremos em mais detalhe noutro artigo.
Por fim, mas não menos importante está a economia. Ao invés de gastar muito dinheiro com o desenvolvimento de novas tecnologias, a marca utiliza tecnologias testadas e comprovadas, que poupam dinheiro aos clientes. É o caso da plataforma CMF-B, mas também do GPL. De fora no futuro estão a pele de origem animal, e os cromados. Para além disso, existe um cada vez maior uso de plásticos reciclados, nomeadamente o Starkle. O que é? Já lá vamos, mas para já fiquem com a ideia que se o atual Dacia Duster utiliza cerca de 12% de plástico reciclado na sua produção, o objetivo é que na nova geração esse valor suba para 20%.
Já conhecíamos a nova identidade da marca do grupo Renault que agora rejeita qualquer denominação de “low-cost”. Ao invés disso a Dacia tem como objetivo ser a melhor marca no que diz respeito a “value for money”. Mas há mais! Os responsáveis afirmam que os modelos da marca não são procurados apenas pelo preço mais acessível, mas que já são capazes de provocar desejo por parte de vários clientes.
Os primeiros Dacia com a nova identidade visual chegarão às nossas estradas ainda no final deste ano. É a primeira marca a fazê-lo simultaneamente, de uma forma transversal em toda a gama de modelos. Tanto na frente como na traseira, o uso de plástico em branco chega a iludir, parecendo que estamos perante logótipos iluminados. Certo é que a imagem da marca se destaca. Veremos como funciona nos modelos com cor branca.
A Dacia já vendeu mais de 15 milhões de veículos com motorização GPL. Esta consiste na utilização do motor 1.0 l de três cilindros que utiliza ambos os combustíveis, gasolina e GPL. O resultado, para além de uma autonomia superior a 1200 km, conforme já pudemos comprovar ao volante do Dacia Duster ECO-G, permite emitir menos 10% de CO2 e reduzir em 40% os custos de utilização.
Para além disso o abastecimento é simples, havendo mais de 40 mil estações de serviço com este tipo de combustível, o que representa uma em cada quatro. Atualmente, na Europa, o mix de vendas de unidades GPL da Dacia já é de 34%, prevendo-se um aumento de procura e um consequente crescimento.
Para além de um enorme compromisso com todos os pressupostos que definem a marca Dacia, o futuro reserva-nos um Dacia Duster completamente novo, e o muito aguardado Bigster. Ambos previstos apenas para 2024, altura em que toda a gama Dacia contará com versões GPL a representar a maior parte das vendas.
Foi precisamente durante esta apresentação que ficámos também a conhecer o Dacia Manifesto, um concept-car que concentra e reafirma os valores que a marca representa. O modelo em si não passará a produção, mas existem várias soluções nele aplicadas que farão parte de novos modelos. Segundo a marca, algumas das suas características pioneiras irão melhorar os futuros automóveis de produção da Dacia. Mas, como este texto já vai longo, deste concept-car falaremos mais aprofundadamente noutro artigo, até porque ele merece.
No final da apresentação de todo este novo capítulo para a marca, Denis De Volt garantiu-nos. “O melhor ainda esta para vir!” Nós acreditamos que sim!

Notícias Relacionadas