Francisco Coimbra

Chamo-me Francisco Coimbra, tenho vinte anos (dentro em breve, vinte e um), sou natural da Paróquia de S. José – Covilhã e, presentemente, aluno do quarto ano de Teologia.

Tive a graça de nascer e crescer no seio de uma família profundamente cristã e dos meus pais e avós recebi o primeiro, e mais decisivo testemunho de amor a Deus e de dedicação à Igreja. Educado, desde a mais tenra idade, segundo os valores do Evangelho e moldado pela vivência comunitária da fé, a questão da vocação foi surgindo, naturalmente. À medida que fui crescendo, partindo de sinais muito concretos, percebi que, de facto, o Senhor me chamava, que também Ele me dizia: “Não tenhas medo. Serás pescador de Homens.” (cf. Lc 5, 10b). Procurando então, responder generosamente ao Senhor que nos chama pelo nome, ao terminar o ensino secundário ingressei no Seminário Maior. Aqui, por entre os livros e os trabalhos académicos, as ocupações pastorais e os afazeres quotidianos – havendo, ainda, espaço para a música – e, sobretudo, na relação íntima com o Senhor, procuro aprender d’Ele, nosso único Mestre, a humildade e a mansidão de coração, a fim de nada mais querer ou desejar do que aquilo que Deus quer…
Cidade: Covilhã
Um lema: “A Tua palavra, Senhor, é farol para os meus passos e luz para os meus caminhos.” (Sl 119, 105)
Uma música: Tocata e Fuga em Ré Menor (J. S. Bach)
Livro: O que é o Cristianismo – Quase um testamento espiritual (Bento XVI)
Na qualidade de Papa Emérito Bento XVI deixa neste livro as suas últimas reflexões sobre alguns temas fundamentais do Cristianismo. No centro está a misericórdia de Deus, que nasce de um amor apaixonado por cada uma das suas criaturas. Ao serviço de Deus estão os sacerdotes, chamados a manter na sua presença e a serem testemunhas do seu amor. Seguem-se as linhas sobre o diálogo com as outras religiões, com os judeus, com as confissões cristãs e com o mundo. Um diálogo que não pode prescindir dos conteúdos centrais do Credo: a Encarnação do Filho de Deus, a fé na Morte e na Ressurreição de Jesus, a presença eucarística, a comunhão fraterna na Igreja, os temas centrais da moral cristã. Como expressa o subtítulo desta colectânea, trata-se quase de um testamento espiritual, ditado pela sabedoria do coração de um mestre sempre atento às expectativas e esperanças dos fiéis. Nos anos que passou no Mosteiro Mater Ecclesiae, no Vaticano, a presença discreta de Bento XVI e a sua oração foram um apoio importante para a vida da Igreja…

Notícias Relacionadas