Bispo da Guarda aponta Quaresma como “tempo especialmente próprio para nos exercitarmos na leitura da realidade”

IV Domingo da Quaresma, também denominado Domingo da Alegria

O bispo da Guarda destacou, na missa do IV Domingo da Quaresma, 10 de Março, a importância da escuta da palavra de Deus, recomendada neste tempo até à Páscoa.
“Sabemos que o mundo de hoje tem grande dificuldade em distinguir claramente entre o bem e o mal. E quando se confunde o bem com o mal os resultados são sempre trágicos, fazendo sofrer sobretudo os mais pobres e indefesos. A Quaresma é tempo especialmente próprio para nos exercitarmos nesta leitura da realidade que somos nós e o mundo, à luz que nos vem de Deus e da sua Palavra”, disse D. Manuel da Rocha Felício, na homilia da missa que celebrou na Igreja da Santíssima Trindade, na Covilhã,
O prelado lembrou as recomendações quaresmais que convidam “a dar mais tempo à escuta da Palavra de Deus”: “Somos, de facto, convidados a escutar, a meditar, a rezar e a aplicar à nossa vida e à vida do mundo as indicações desta Palavra”.
D. Manuel da Rocha Felício realçou que mesmo “quando não é possível celebrar a Eucaristia, mas apenas se celebra a Liturgia da Palavra, é o mesmo Jesus que aí está presente”. E explicou: “Será bom, por isso, que, nas nossas comunidades, para além do tempo destinado à assembleia Dominical, vão surgindo outros espaços e tempos dedicados à escuta e meditação da Palavra de Deus, de onde eventualmente possam surgir sugestões para a elaborar a própria homilia dominical”.
O bispo da Guarda referiu que a Páscoa “é também a luz e a força do Ressuscitado para os caminhos do mundo novo” que todos precisam e querem ajudar a construir.
“Deus quer esse mundo novo, mas não o quer construir sem a nossa cooperação. Por isso nos acompanha, como acompanhou o Seu Povo”, lembrou D. Manuel da Rocha Felício.
No mesmo dia em que se assinalava a ida às urnas para eleger o próximo governo português, o bispo da Guarda defendeu que “nunca a moda ou as ideologias podem tomar a dianteira em relação ao bem fundamental das pessoas todas e de cada uma delas, na situação concreta em que se encontra”.
“A dignidade de todas e cada uma das pessoas tem de estar sempre à cabeça das opções que forem tomadas”, afirmou.
Nas eleições legislativas de domingo, a Aliança Democrática elegeu 77 deputados para Assembleia da República nas eleições deste domingo, a que se juntam 3 da Região Autónoma da Madeira, o Partido Socialista 76, o Partido Chega 48, a Iniciativa Liberal oito, o Bloco de Esquerda cinco, o Partido Comunista Português quatro, o Livre outros quatro e o Partido Pessoas-Animais-Natureza um deputado; os quatro mandatos eleitos pela emigração estão ainda por apurar.
Ainda antes dos resultados, o bispo da Guarda considerou que entre “quem governa e os que são governados não se pode interromper nunca a relação e o diálogo sobre os assuntos que interessam a todos”. E acrescentou: “E precisamos de ser criativos quanto a encontrar as melhores formas de manter essa relação, essa auscultação mútua para discernirmos conjuntamente os caminhos mais ajustados a cada situação concreta”.

Notícias Relacionadas