Tomaz da Fonseca lembrado na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço

Guarda

No ano em que se assinalam 50 anos da morte de Tomaz da Fonseca (1877 – 1968), a Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço (BMEL) programou para Junho uma exposição, uma comunicação e uma conferência para evocar Tomaz da Fonseca, um dos grandes vultos da cultura e da intelectualidade portuguesa do século passado. Escritor, político, professor, jornalista, pensador e interveniente na construção da 1.ª República, Tomaz da Fonseca, natural de Laceiras (Mortágua), é considerado um escritor de ideias de grande mérito e actualidade. As publicações que legou sobre o papel da Igreja e da Religião demonstram o seu forte anticlericalismo.
A exposição “Tomaz da Fonseca: Republicano e Maçon” dá início à programação de Junho, com inauguração marcada para dia 6, às 18.00 horas, apresentação de catálogo e visita guiada por Teresa Branquinho, técnica bibliotecária da Biblioteca Municipal de Mortágua. Uma iniciativa que pretende divulgar e evidenciar a forte personalidade desta figura incontornável da nossa cultura, a vigorosa entrega às causas cívicas e politicas em que se envolveu ao longo da vida, nomeadamente a luta pelos ideais republicanos e pela liberdade. Uma semana depois, dia 12 às 18.00 horas, o Professor Catedrático, jubilado, da Universidade de Coimbra Amadeu Carvalho Homem falará de “O pensamento filosófico e maçónico de Tomaz da Fonseca”. Uma abordagem ao significado do ateísmo de Tomaz da Fonseca, um autor em oposição com as directrizes conservadoras e católicas do Estado Novo. “O conferencista tentará comprovar que foram as inspirações intelectuais do anarquismo e do anarco-sindicalismo que mobilizaram esta grande figura. Nele, as influências do marxismo e do neo-marxismo não parece terem sido determinantes”, refere a BMEL. Por fim, no que toca à figura em destaque, a biblioteca convidou Onofre Varela, designer gráfico, ilustrador, cartunista, autor de banda desenhada e cronista, para uma comunicação sobre Tomaz da Fonseca, a quem define como “um Português que não temeu contrariar a opinião pública nem o poder instalado, dizendo abertamente o que pensava sobre as Religiões, especialmente a Católica e o “embuste de Fátima”, numa época em que o simples facto de pensar o contrário do oficialmente instalado era, só por si, motivo de censura e perseguição política.”
No que respeita às restantes iniciativas a decorrer na BMEL, será assinalado o 7.º Encontro de Pneumologia Oncológica da Guarda, organizado pela ULS Guarda, dia 9 às 9.00 horas. Um encontro de médicos da região Centro do país que se dedicam ao tema da Pneumologia Oncológica. No dia 16 terá lugar, com início às 14.30 horas, a Oficina de desenho e ilustração “Oficina de Plantas com Bichos”, orientada por Maria Remédio. Uma descoberta de desenhos de pequenas histórias no Jardim Botânico IV, de Maria Remédio, a partir de decalques, transferências e colagens de plantas e animais. Uma iniciativa para famílias com crianças dos 7 aos 11 anos. Ainda no dia 16, às 16.00 horas, será apresentado o livro “Muros – contos e sabores da aldeia” da docente de Inglês na Escola Secundária Afonso de Albuquerque, Natércia Monteiro. Um livro que retrata as memórias de infância e juventude da autora no pós-25 de Abril vividas numa aldeia da Beira Baixa. Já de 18 de Junho a 2 de Julho a BMEL tem patente a exposição “A cidade do tuni das pessoas romanoso nus”, da artista naif Ulisses Cardoso. Ulisses Cardoso nasceu em S. Tomé e Príncipe há 47 anos. Os trabalhos apresentados são de criação espontânea ou realizados no âmbito escolar para o “jornal de parede” do EPG e participação em vários concursos internacionais. Esta mostra insere-se no âmbito do projecto sócio-educativo “Todos somos nós”, uma colaboração entre o Estabelecimento Prisional da Guarda e o Pelouro da Educação e Intervenção Social da Câmara da Guarda. “Personagens e coisas de lá longe e arredores” é o título do primeiro livro de Filipe Costa Nunes, a apresentar no dia 23 de Junho às 16.00 horas. Um livro de literatura infantil onde o autor trata de forma metafórica da doença que o atingiu, uma variante da distrofia muscular, mostrando como através da escrita se pode vencer desafios e contrariedades. Destaque ainda para mais uma tertúlia de “Guarda: a memória”, este mês, sobre a “FEMSA – Fábrica electromecânica, SA, de Vila Cortês do Mondego, a ter lugar no dia 28 às 18.00 horas. Um grupo de antigos colaboradores vai à BMEL “contar a história da empresa, recordar vivências na FEMSA e a sua importância económica e social para o nosso concelho”.

Notícias Relacionadas