“Programa ambicioso” nas comemorações dos 50 anos do 25 de Abril na Guarda

Iniciativas acontecem ao longo de um ano

A Câmara Municipal da Guarda vai assinalar os 50 anos do 25 de Abril com “um programa ambicioso que abrange os mais diversos temas” e conta com o envolvimento das escolas, colectividades e artistas locais.
O presidente da autarquia disse que se trata de “um programa muito plural, muito ecléctico” que “foi preparado pela Comissão das Comemorações, pelos técnicos da autarquia, mais algumas pessoas da sociedade, e as escolas da cidade”.
Sérgio Costa referiu mesmo que “é um programa dos melhores do país, pois é um programa que se vai desenvolver ao longo de quase um ano, ou praticamente um ano”. Adiantou que “há iniciativas que poderão mesmo prolongar-se até Abril de 2025”.
O autarca deixou um apelo aos guardenses para que “possam aderir às mais diversas iniciativas, ao nível cultural, aos espectáculos de teatro, de música, exposições, aos lançamentos dos livros”. E acrescentou: “Tudo isso para que as comemorações que já são ricas no seu programa que sejam também ricas ao nível da atracção de pessoas para essas iniciativas”.
Sérgio Costa destacou a apresentação do livro sobre a história da cidade “Guarda. Das origens à actualidade”, no dia 24 de Abril, no Espaço ExpoEcclesia, bem como a sessão solene comemorativa do 25 de Abril com intervenção de todos os partidos representados na Assembleia Municipal e ainda a inauguração da escultura 50 anos de Abril.
Sobre a obra que irá ser colocada na rotunda da Avenida Monsenhor Mendes do Carmo, disse que “é uma escultura marcante” adiantado tratar-se de “velha aspiração de muitos guardenses”. Lembrou que “a própria Associação 25 de Abril, há alguns anos a esta parte vem sensibilizando a autarquia opara que pudesse existir um monumento ao 25 de Abril na Guarda”.
“É uma escultura bonita, simples mas ao mesmo tempo complexa que irá retratar as várias fases do antes, durante do pós 25 de Abril”, disse Sérgio Costa. Apontou o monumento ao 25 de Abril como “mais um ícone da nossa cidade” que “valerá a pena visitar”.
Na apresentação do programa, que teve lugar no dia 4 de Abril, o presidente da Câmara da Guarda também destacou a Tribuna Jovem a realizar dia de 20 de Abril com a participação do ex-ministro da Cultura João Soares e o analista político João Maria Jonet que irão apresentar o ponto de vista de duas gerações completamente diferentes.
“Iremos desafiar a juventude da Guarda, as juventudes partidárias, das associações de estudantes, das nossas freguesias para poderem participar nessa tertúlia que será um momento muito importante nas comemorações do 25 de Abril”, disse Sérgio Costa.
As iniciativas apresentadas serão dinamizadas, na grande maioria, pelo Teatro Municipal da Guarda, Museu da Guarda e Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço.
As iniciativas ligadas à dança, à música e ao teatro vão passar pelo TMG, onde terá lugar a estreia nacional “As Palavras Não Ditas” pela Companhia de Dança Contemporânea de Évora (dia 13 de Abril), o espectáculo “25 de Abril – A Divina Surpresa”, uma coprodução Trigo Limpo – ACERT e TMG (dias 17 e 18 de Maio) e as quatro peças apresentadas pelos alunos envolvidos no projecto de teatro na escola dinamizado pelo TMG. No dia 25 de Abril, às 21.30 horas, o TMG acolhe o concerto “Miragem” de Luís Represas.
O Museu da Guarda apresentou como grande destaque a 8.ª edição do Simpósio Internacional de Arte Contemporânea dedicada ao tema “25 de Abril: aquela manhã clara e limpa”, que terá lugar de 12 a 20 de Junho, e o espectáculo de ‘videomapping’ “Luzes da Liberdade: 50 Anos do 25 de Abril de 1974”, a ter lugar no pátio do Museu na noite de 24 de Abril, seguido do concerto “José Afonso e o Povo”, por César Prata.
A Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço apresenta uma mostra de livros censurados “Leituras censuradas – os livros que não podiam ser lidos” (23 de Abril a 28 de Junho), a apresentação do projecto editorial comemorativo de 1974 – 50 anos Alfredo Cunha (17 de Maio) e a exposição “Voz do Silêncio – Prisões Políticas Portuguesas” (até 6 de Maio).
“É nossa clara intenção que, na Guarda, o ano de 2024 seja um ano de evocação e comemoração, mas também de aprendizagem e de muita reflexão”, escreve o presidente da autarquia no programa das comemorações dos 50 anos do 25 de Abril na Guarda.

Notícias Relacionadas