Polo da Guarda do Centro de Envelhecimento Activo vai formar e capacitar prestadores de cuidados a pessoas idosas

Instituto Politécnico da Guarda

O IPG – Instituto Politécnico da Guarda formalizou esta segunda-feira, 4 de Março, o polo do Centro de Envelhecimento Activo. O protocolo foi assinado entre o Politécnico da Guarda e o Centro de Competências de Envelhecimento Activo.
O polo da Guarda “irá formar e capacitar prestadores de cuidados a pessoas idosas” e desenvolver “actividades para melhorar as condições de vida dos idosos da região”.
O Centro de Competências de Envelhecimento Activo é um centro protocolar criado pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, pela Associação para o Desenvolvimento do Centro Académico de Investigação e Formação Biomédica do Algarve e pelo Instituto da Segurança Social, com sede em Loulé.
O Centro de Competências de Envelhecimento Activo assegura formação profissional e capacitação de prestadores de cuidados a pessoas idosas. O IPG adianta que o polo da Guarda “irá formar e capacitar prestadores de cuidados a pessoas idosas” e desenvolver “actividades para melhorar as condições de vida dos idosos da região”.
Joaquim Brigas, presidente do IPG disse que “o envelhecimento da população acentuar-se-á nas próximas décadas e terá um impacto cada vez maior na vida pessoas e do país”. Adiantou que o IPG “tem apostado no estudo e na investigação das áreas científicas relacionadas com o tema, formando profissionais especializados para os sectores social e da saúde”.
Joaquim Brigas adiantou que o IPG “tudo fará” para que a actividade do polo “tenha o maior impacto possível na qualidade de vida dos mais velhos na região”.
Deixou a garantia de que podem contar com o Politécnico da Guarda para estudar e para promover soluções inovadoras que desenvolvam a economia associada ao envelhecimento da sociedade, contribuindo dessa forma “para o aumento do número de anos de vida saudável da população do Interior – em particular da população do distrito da Guarda que este polo de envelhecimento activo vai acompanhar.”
Recorde-se que o IPG se tornou no início de 2022 a sede na Região Centro do Observatório Nacional do Envelhecimento e que tem desenvolvido várias iniciativas para melhorar a qualidade de vida da população idosa.
Joaquim Brigas referiu que o IPG está “orientado para a promoção de soluções inovadoras para desenvolver a economia associada ao envelhecimento da sociedade, bem como para contribuir para o aumento do número de anos de vida saudável da população do Interior e de todo o país”.

Notícias Relacionadas