Passadiços do Mondego são “um investimento fundamental para o Turismo da Guarda e para toda a Região”

Inauguração juntou centenas de pessoas, no dia 6 de Novembro

A inauguração dos Passadiços do Mondego, uma das obras que mais expectativas “criou à Guarda, à região e ao País, em termos de turismo”, está finalmente disponível “para nos encantar”, com as belíssimas paisagens da Serra da Estrela.
Na cerimónia de inauguração, no dia 6 de Novembro, o Presidente da Câmara da Guarda, Sérgio Costa, disse que os Passadiços do Mondego são “um investimento fundamental para o Turismo da Guarda e para toda a Região”. E acrescentou: “Esta obra será a grande âncora regional para o turismo, desporto e lazer do nosso Concelho e de todo o nosso território, com a qual poderemos pensar positivamente no seu sucesso futuro”.
Os passadiços começam junto à barragem do Caldeirão, estendendo-se depois, ao longo de quase 12 km, pelo vale do Mondego, até à zona de Videmonte.
Para Sérgio Costa “os Passadiços do Mondego não serão só da Guarda, todos os concelhos ao seu redor, todas as Comunidades Intermunicipais da região Centro, todas as nossas empresas irão ter o devido retorno desta nova e importante âncora da Serra da Estrela”. E acrescentou: “A Guarda aposta fortemente na sua capitalidade, liderança, mas também na sua solidariedade regional, ao realizar eventos que ajudam a potenciar os produtos e o turismo de toda a Região”.
Na cerimónia de inauguração realizada junto da Barragem do Caldeirão, o autarca adiantou que “os Passadiços do Mondego são um dos expoentes máximos da riqueza natural e paisagística do país. A Guarda será, finalmente, a nova porta de entrada para a serra da Estrela e para o seu Parque Natural. O vale do Mondego e a nossa serra da Estrela estão a ser finalmente valorizados”.
Sérgio Costa lembrou que ao avançar com os Passadiços do Mondego “a Câmara Municipal da Guarda fez o seu trabalho”, mas “cabe agora aos nossos empresários e aos Guardenses, aproveitar esta enorme mais-valia que é esta obra que agora inauguramos”.
Ana Abrunhosa, Ministra da Coesão Territorial, disse que o investimento foi apoiado por fundos europeus e o projecto é “um exemplo de coesão”. Considerou que os Passadiços do Mondego “são da Guarda, são da região, são do país, mas são do mundo e vêm valorizar ainda mais” o “riquíssimo património da humanidade” que abrangem.
A ministra considerou que “estamos perante um projecto de interesse turístico internacional. O interior de Portugal é um tesouro de paisagens a descobrir e a redescobrir por nós, portugueses, até porque, muitas vezes, os estrangeiros descobrem o nosso interior mais depressa e valorizam-no de outra forma, que nós não fazemos. Nós temos partes do nosso território que têm sido reconhecidas por esse mundo fora como excepcionais”.
Recorde-se que os Passadiços do Mondego estão integrados no Parque Natural da Serra da Estrela e no Estrela Geopark Mundial da UNESCO.
Os Passadiços do Mondego representam um investimento na ordem dos quatro milhões de euros, em parte co-financiados a 85% por fundos europeus, no âmbito do Centro 2020, FEDER.

Notícias Relacionadas