Incubadora desnuclearizada de empresas tecnológicas com polos em Mêda e Seia

Instituto Politécnico da Guarda

O IPG – Instituto Politécnico da Guarda vai receber 150 mil euros do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para criar a sua incubadora desnuclearizada de empresas tecnológicas com polos em vários municípios do distrito da Guarda. O projecto, lançado em Maio de 2022 pelo presidente do IPG, Joaquim Brigas, foi desenhado para acolher startups com actividades ligadas à automação, à logística, à economia social e ao digital. A candidatura ao programa “Vales Incubadoras e Aceleradoras”, iniciativa para impulsionar ideias de negócios no âmbito do PRR, foi aprovada a 12 de Setembro, com a dotação máxima.
Joaquim Brigas refere que “este financiamento é fundamental para que o Politécnico da Guarda materialize este projecto ambicioso e único no país, o que irá dinamizar a actividade empresarial na região, promovendo a produção de bens e de serviços inovadores nos municípios aderentes”. O presidente do IPG acrescenta: “A incubadora desnuclearizada vem dar a todos os concelhos parceiros a possibilidade de se transformarem em centros empresariais de base tecnológica, recorrendo a uma partilha de conhecimento entre os centros de investigação do nosso Politécnico e o tecido empresarial de cada concelho”.
Através de parcerias com as câmaras municipais, a incubadora irá arrancar numa primeira fase nos concelhos de Mêda e Seia. Esta iniciativa surge do compromisso público do IPG em criar um Ecossistema Tecnocientífico Avançado na região da Guarda, o qual inclui um Centro de Competências em Blockchain para reforçar o apoio à modernização de instituições públicas e privadas locais e um programa para atrair e acolher nómadas digitais.
“Esta incubadora de startups ligada ao ensino superior e à investigação científica diferenciou-se e conseguiu o financiamento máximo do PRR pela sua natureza pioneira”, afirma Joaquim Brigas. E acrescenta: “Enquanto agente de inovação e ciência, o IPG tem apostado nas Tecnologias de Informação, uma área em expansão que está a tornar os mercados mais competitivos e a criar novas formas de trabalhar, como são exemplo os espaços de coworking ou a criação de condições para atrair nómadas digitais”.
O Politécnico da Guarda está aberto a novas parcerias com outros municípios interessados em integrar a incubadora desnuclearizada. Prevê-se que o projecto inicie a sua actividade no início de 2024.

Notícias Relacionadas