Hotel Turismo da Guarda integra rede de Pousadas de Portugal

Encerrado desde Outubro de 2010

O Hotel Turismo da Guarda, um edifício emblemático no centro da cidade da Guarda, será integrado na rede de Pousadas de Portugal e entregue à Empresa Nacional de Turismo, SA., para reabilitação e posterior exploração. O anúncio foi feito pelo Ministro da Economia e do Mar, António Costa Silva, na Assembleia da República, na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no dia 17 de Janeiro.
O Ministro disse que a questão do antigo Hotel de Turismo da Guarda era “um dos problemas mais difíceis” para resolver no sector do turismo.
O Hotel Turismo da Guarda, inaugurado em 1947 e que se encontra fechado há mais de uma década, vai ser integrado na Enatur e passar a fazer parte da rede das Pousadas de Portugal.
Para o ministro, foi encontrada uma “boa solução” para aquele que é um “empreendimento vital para a região”.
O Hotel Turismo da Guarda encerrou em Outubro de 2010, tendo sido comprado pelo Turismo de Portugal à Câmara Municipal da Guarda no ano seguinte por 3,5 milhões de euros para ser recuperado e transformado em hotel de charme com escola de hotelaria. O projecto que fez parte do programa Revive – Reabilitação, Património e Turismo, nunca avançou.
O ministério da Economia lembra que o imóvel “foi destinado a venda e afectado ao programa Revive” mas sem sucesso.
O antigo Hotel de Turismo da Guarda foi desafectado do Programa REVIVE, através de um despacho publicado no dia 11 de Outubro de 2022, em Diário da República. O despacho determinou “a desafectação do Programa REVIVE do imóvel do domínio privado do Instituto do Turismo de Portugal, I. P., denominado Hotel Turismo da Guarda, sito na cidade da Guarda”.
De acordo com o texto publicado em Diário da República, a decisão é justificada pelo Governo porque “urge recorrer a soluções alternativas que permitam estancar a degradação contínua do imóvel e promover o respectivo aproveitamento económico, em benefício do Estado e da economia nacional”.
O Programa REVIVE “foi lançado com o objectivo de promover a requalificação e o subsequente aproveitamento turístico de um conjunto de imóveis do Estado com valor arquitectónico, patrimonial, histórico e cultural”.
O Hotel Turismo da Guarda, propriedade do Instituto do Turismo de Portugal, “pelas suas características históricas e arquitectónicas”, integrava “a lista de imóveis afectos ao Programa REVIVE”. No entanto, “não obstante os esforços desenvolvidos, o mercado não respondeu às sucessivas ofertas públicas do Hotel Turismo da Guarda para exploração privada, tendo-se verificado (…) hasta pública, que ficou deserta (2015); desistência da única empresa que permanecia no concurso público para arrendamento com opção de compra (2015); revogação do contrato celebrado com o concessionário, por insolvência, no âmbito do Programa REVIVE (2017); concurso público que ficou deserto, não obstante a prorrogação de prazo para apresentação de propostas (2021)”.
“Com a sua integração na rede de Pousadas de Portugal, e entregue para reabilitação e subsequente exploração à ENATUR, Empresa Nacional de Turismo, SA., o Hotel Turismo da Guarda vê, assim, mais de 12 anos depois do seu encerramento, a solução final para a sua reabertura ao público”, referiu o Ministério da Economia.

Notícias Relacionadas