Centenário do nascimento de José Saramago inspira sexta edição do SIAC

Arte Contemporânea está de regresso à Guarda, de 3 a 13 de Novembro

“Rasgos de Lucidez” é o mote para a sexta edição do SIAC – Simpósio Internacional de Arte Contemporânea – Cidade da Guarda que acontece pela primeira vez no Outono, entre 3 e 13 de Novembro. Esta edição vai cruzar, como habitualmente, várias linguagens artísticas como a pintura, o desenho, a gravura, a escultura, a arte digital ou a literatura, espalhando-se por vários locais da cidade, com incidência no Museu, Quarteirão Associativo (Largo do Torreão), Ruas da Cidade e capela do Solar dos Póvoas.
Nesta edição o Município da Guarda, através do Museu, quis aproximar o SIAC às comemorações do centenário do nascimento de José Saramago, autor do romance “Ensaio sobre a Lucidez”, cujo título inspirou o tema base deste simpósio.
O SIAC terá como exposição principal “Verdes moradas”, uma colectiva de 4 grandes nomes da arte contemporânea nacional – Inez Teixeira, Jorge Feijão, Maria Capelo e Duarte Belo – e com curadoria de Nuno Faria, numa iniciativa em parceria coma Fundação Carmona e Costa, que ficará patente na sala de exposições temporárias do Museu da Guarda.
Destaque ainda para as Residências Artísticas de pintura, gravura, escultura e instalação, que nesta edição outonal terão lugar no Museu e cujas obras ficarão mais tarde em exposição no Quarteirão Associativo. Nas Residências Artísticas participam artistas oriundos de Portugal, Espanha, Ucrânia, Guiné-Bissau, Países Baixos, China e Polónia.
Nesta sexta edição do Simpósio vão ainda estar patentes as exposições individuais “O Nu na Arte de Carlos Pé-Leve”, mostra de Escultura e Pintura, e “Um outro olhar sobre a obra de José Saramago” de Violante Saramago Matos (Pintura) com a colaboração do guardense Desy – 123, nas Salas de Exposição do Paço da Cultura.
Na componente formativa, nesta edição a aposta vai para os cursos de gravura, cerâmica e aguarela. A tudo isto juntamos ainda dança, visitas encenadas, conferências e música e exposições em Gonçalo e em Famalicão da Serra, respectivamente no Edifício Cultural de Gonçalo e na Casa da Cultura de Famalicão.
O SIAC tem como objectivos o fomento criativo, através das residências artísticas, tendo a Guarda como local de inspiração e produção e sendo o produto dos artistas um bem que irá enriquecer o acervo do Museu e do Município; a formação artística, através, por exemplo, de um curso de gravura, destinado quer a artistas, quer a autodidatas; a fruição de projectos artísticos e culturais, através de palestras, exposições, recitais de música e visitas encenadas; e a promoção do convívio multicultural entre artistas e o público participante, como forma de proporcionar um encontro de partilha, o hibridismo da diferença e, por essa via, um modo de repelir preconceitos.
A inauguração da Exposição “Verdes Moradas (ensaio sobre os ritmos da natureza)” de Inez Teixeira, Jorge Feijão, Maria Capelo e Duarte Belo com curadoria de Nuno Faria, marca a abertura desta edição do SIAC, esta quinta-feira, 3 de Novembro, às 18.00 horas, no Museu da Guarda.

Notícias Relacionadas