Almeida e Fuentes de Oñoro reclamam cumprimento de promessas, na abertura ao tráfego do troço final da A25

Cerimónia decorreu esta segunda-feira em Vilar Formoso

A abertura ao tráfego do troço final da A25, entre Vilar Formoso e a fronteira com Espanha, decorreu esta segunda-feira, 20 de Dezembro, no Nó de Vilar Formoso. A cerimónia contou com a presença do Secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado, do presidente da Câmara Municipal de Almeida, António Machado, da Subdelegada do Governo de Salamanca, María Encarnación Pérez Álvarez, do Alcaide de Fuentes de Oñoro, Isidoro J. Alanís Marcos, do Diretor Geral de Estradas do Ministério dos Transportes, Mobilidade e Agenda Urbana, Javier Herrero Lizano, e do vice-presidente da Infraestruturas de Portugal, José Serrano Gordo. A cerimónia de inauguração da ligação na fronteira da A25 à A62 ficou marcada pelas críticas do autarca de Almeida e do Alcaide de Fuentes de Oñoro, devido à falta do cumprimento das promessas de investimentos por parte dos Governos de Portugal e de Espanha, em Vilar Formoso e Fuentes de Oñoro, como alternativa ao impacto negativo da abertura da ligação das auto-estradas.O Presidente da Câmara Municipal de Almeida disse tratar-se de “um dia de Festa nem para mim nem para os habitantes de Vilar Formoso e de Fuentes de Oñoro”. António Machado considerou fundamental “passar da retórica de promessas às realizações e criar vantagens competitivas na zona da fronteira, para minorar os impactos negativos com esta ligação, já que a grande maioria do trânsito é desviado do centro de Vilar Formoso e Fuentes de Oñoro”. “Hoy es un dia triste para los vecinos de Vilar Formoso y Fuentes de Oñoro, es el dia del fin de nuestras vidas tales como las conociámos hasta ahora”, frisou o Alcaide de Fuentes de Oñoro. Isidoro Alanis considerou que tal como em 1992 com a abertura das fronteiras, em 2002 com a entrada em circulação do euro e agora em 2021, com a ligação da auto-estradas “não houve e não há até ao momento, os investimentos necessários por parte dos Governos para fixar população na zona da fronteira”.Com a entrada ao serviço deste lanço com 3,5 quilómetros, fica concluída a A25 em toda a sua extensão, ligando directamente, através de auto-estrada, o litoral do país, na zona do Porto de Aveiro, à fronteira com Espanha. No mesmo dia, em território espanhol, entrou ao serviço o troço da A-62 – Autovía de Castilla, com 3,2 quilómetros, entre Fuentes de Oñoro e a A25, possibilitando a ligação rodoviária de Portugal à Europa integralmente em perfil de auto-estrada.A construção desta via entre o Nó de Vilar Formoso e a fronteira envolveu um investimento total de 14,9 milhões de euros, co-financiado por fundos pela União Europeia, e a sua concretização assegura importantes ganhos ao nível da mobilidade e segurança rodoviária, em particular para o tráfego de longo curso de veículos pesados. Recorde-se que é na fronteira em Vilar Formoso que existe o maior atravessamento rodoviário transfronteiriço de veículos pesados.A construção deste troço compreendeu, entre outros, os seguintes trabalhos: execução de via com 3,5 quilómetros de extensão em perfil de auto-estrada; reformulação do actual Nó de Vilar Formoso; construção de um viaduto com 330 metros de extensão, sobre a ribeira de Tourões; realização de dois ramos de acesso ao Nó de Fuentes de Oñoro, já em território espanhol; criação de duas rotundas e de sete restabelecimentos que assegurarão a ligação com a rede viária local.

Notícias Relacionadas