A Liga “é um extraordinário dom de Deus à Igreja e em particular, à Diocese da Guarda”

Liga dos Servos de Jesus celebrou centenário da fundação

“A Liga é, sem dúvida, um extraordinário dom de Deus à Igreja e em particular à nossa Diocese da Guarda, através das mãos do Venerável Servo de Deus D. João de Oliveira Matos”, disse o Bispo da Guarda na homilia da missa evocativa do centenário da Fundação da Liga dos Servos de Jesus, este domingo, 18 de Fevereiro, na Sé da Guarda.
Perante centenas de fiéis, D. Manuel Felício referiu que o centenário “tem de servir para a Liga dos Servos de Jesus, por um lado, revisitar a sua identidade e missão que estão espelhadas no documento fundacional e por outro, olhar em frente e ver que respostas é necessário dar às novas situações da Igreja e do mundo que requerem a sua acção continuada”.
Lembrou que o documento fundacional, assinado pela secretária Palmira Dinis da Fonseca, “contém os pontos essenciais para a vida da Liga que é necessário retomar de novo e de forma adaptada às circunstâncias atuais, da Igreja e também da própria sociedade”.
“É normal que o carisma da Liga, procurando sempre manter a fidelidade às origens, vá procurando ler e interpretar as novas interpelações que lhe faz a actualidade da vida da Igreja e do mundo”, lembrou o bispo da Guarda. E acrescentou: “ Que a celebração do centenário possa imprimir novo dinamismo e nova esperança na vida da Liga dos Servos de Jesus e igualmente na nossa Igreja Diocesana, que dela tem muito a esperar”.
D. Manuel Felício deu ainda conta de que “a Diocese destina para a Liga dos servos de Jesus a sua renúncia quaresmal deste ano, com a expressa finalidade de, em cooperação com os missionários da Boa Nova, revitalizar o Centro Missionário de Espiritualidade que ela mesma criou em Angola”.
No final da celebração, a Coordenadora Geral da Liga, Irene Fonseca, disse que “durante estes cem anos, todos os servos e servas de Jesus, cada um a seu modo, doaram-se totalmente a Jesus Cristo e ao seu Reino”. E acrescentou: “Foram centenas e centenas de crianças, adolescentes e jovens que cresceram connosco e a quem transmitimos valores humanos e cristãos”, sem “esquecer os idosos a quem servimos até partirem”.
“O nosso Lema ‘É preciso que Jesus reine’ será, como sempre foi, o fermento da nossa acção apostólica e a razão do nosso existir”, adiantou Irene Fonseca. E acrescentou: “É nosso desejo e, se tal agradar a Deus, que a memória de D. João seja perpetuada e contemplada também nos altares das nossas igrejas”.
A Festa do centenário da fundação da Liga continuou no Outeiro de S. Miguel, com uma cantata dedicada ao antigo bispo auxiliar da Guarda, D. João de Oliveira Matos. Alunos e professores de algumas valências do Instituto de S. Miguel protagonizaram um momento musical de grande beleza artística, perante uma vasta assistência de largas centenas de pessoas.
A Liga dos Servos de Jesus, sediada na cidade da Guarda, foi criada por D. João de Oliveira Matos, no dia 11 de Fevereiro de 1924, e actualmente está presente na Guarda (Santa Luzia, Sequeira, Outeiro de São Miguel, Centro de Acolhimento S. João de Deus, Paço Episcopal, Seminário), Covilhã (Abrigo dos Pequeninos e Centro Cultural e Social), Ruvina, Celorico da Beira, Rochoso, Orca, Cerdeira do Côa, Manteigas, Fundão, Fátima, Figueira da Foz e Kilenda (Angola).

Notícias Relacionadas