Papa apontou caminhos de paz para o Médio Oriente, Iraque e Ucrânia

Vaticano


O Papa Francisco afirmou, no último Domingo, que o “diálogo”, a “negociação” e a “força da reconciliação” são o caminho para a paz no Médio Oriente, no Iraque e na Ucrânia.
“Peço-vos para que continueis a unir-vos à minha oração para que o Senhor conceda à população e às autoridades daquelas zonas a sabedoria e a força necessária para avançar com determinação no caminho da paz, enfrentando todas as injúrias com a firmeza do diálogo e da negociação e com a força da reconciliação”, disse o Papa após a oração do ângelus, na Praça de São Pedro. “Irmãos e irmãs, jamais a guerra, jamais a guerra”, pediu o Papa, pensando sobretudo nas crianças “a quem se destrói a esperança de uma vida digna no futuro”.
“Parem, por favor. Peço-vos com todo o coração. É a hora de parar. Parem, por favor”, insistiu o Papa no Vaticano.
Francisco sublinhou que “todas as decisões” têm de ser tomadas tendo em conta o “bem comum e o respeito por todas as pessoas” e não os “interesses particulares”.
No encontro dominical com os peregrinos e turistas que se encontram em Roma, o Papa recordou também o centésimo aniversário do início da Primeira Guerra Mundial, um “massacre inútil”, que “causou milhões de vítimas e muita destruição” e que, após “quatro longos anos”, deixou uma “paz frágil”.
“Recordando este trágico acontecimento, espero que não se repitam os erros do passado, mas se tenha presente a lição da história, fazendo sempre prevalecer as razões da paz através de um diálogo de paciência e corajoso”, afirmou o Papa.
Disse também que que a passada segunda-feira,28 de Julho, dia que assinala o aniversário do início do conflito, seria uma jornada de luto na recordação deste drama.

Imprimir